sábado, 17 de maio de 2008

CURSO DE CERÂMICA ARTESANAL LAPA-PR


Estou ministrando um curso de cerâmica Artesanal na cidade de Lapa - PR, num bairro chamado "Os Alves". Este curso é realizado em duas etapas. Na primeira delas ensino as técnicas básicas e depois de 15 dias finalizo com o acabamento das peças e queima das mesmas. Este curso é patrocinado pelo Senar-PR que entra em contacto com os sindicados das cidades e localiza a demanda.




Não é apenas um curso de técnicas básicas. Começa por identificar, no próprio local onde o curso é realizado, a existência de argilas plásticas que possam ser usadas como matéria-prima de massa cerâmica. O principal é encontrar uma argila plástica que compoe 70% da massa que será usada para modelagem. Evidentemente que se na localidade existe uma olaria, a coisa fica mais fácil e uma orientação sobre composição de massas é suficiente, mas, mesmo assim, aproveito para compor diversas massas, fazer as placas testes e depois queimar, para apreciar o resultado e tirar conclusões. As argilas de barranco, de colorações diferentes também são usadas como engobe, e, algumas incorporadas na própria massa para enriquecer a decoração e como conhecimento do comportamento do material que encontramos ao nosso redor. Evidentemente que isso não representa dano ambiental, já que o consumo, por poucas pessoas, no caso 11, é mínimo. O Senar-PR também fornece um manual, do qual eu sou o autor, com 70 páginas, ilustrado, para facilitar o aprendizado e para que cada aluno tenha seu próprio material bibliográfico, tanto de acompanhamento das aulas, como para uso posterior. Depois de encontrar a argila plástica, procuro uma anti-plástica para completar a composição e dar qualidade à massa. Começo sempre com 70% de argila plástica e 30% de argila anti-plástica. Normalmente uso os termos argila gorda para a plástica e magra para a anti-plástica.


De posse de uma massa modelável ensino as técnicas de amassado e depois as técnicas cerâmicas propriamente ditas. Modelado livre, esticamento de placas, colagem, rolinhos (cordelado), etc. Aproveito para ensinar a confeccionar ferramentas de madeira e, também, de arames (estecas). No terceiro dia construo, com a ajuda de todos, um forno cerâmico artesanal para a queima. Ele tem as dimensões internas de aproximadamente 80cm x 80 cm x 80 cm. O tamanho é em função dos tijolos de dois furos disponíveis, aproximadamente 400 unidades. Podem ser, também, tijolos de seis furos, refratários, qualquer um. O forno é projetado para atingir a faixa dos 800 graus centígrados.


É comum o rejunte dos tijolos ser amassado com os pés o que transforma a aula num exercício alegre de cooperação.


A maioria dos alunos são mulheres e elas tem sempre uma grande atração por modelar panelas e fôrmas que imediatamente possam ser usadas em casa. Mas, saboneteiras, cinzeiros (em desuso), vasos, quadros para paredes, peças figurativas ((bibelôs e esculturas), inclusive apitos do tipo ocarina em formatos diversos (aves, peixes,etc), são confeccionados com muito garra de aprendizado.


Esta primeira etapa do curso aconteceu nesta semana, de 13 a 16 de maio. O retorno será de 26 a 29 deste mesmo mês.


Há uma enorme carência, em nossa área rual, de aprendizado e as pessoas estão muito disponíveis para encontrar meios que possam reforçar o orçamento familiar. Não dá para esquecer que 80% da população brasileira está nas cidades e o campo vive um isolamento reforçado pelas propagandas de consumo que nada tem a ver com a vida rural. Esta é muito mais simples, mas a juventude com dificuldades de estudar e atrapalhadas pela violenta máquina de propaganda da artificial vida citadina fica louca prá se mandar do campo e engrossar o contingente de pessoas que vivem à margem da sociedade, pois encontra um imenso atrapalho para inserir-se numa vida digna e dos benefícios da duvidosa vantagem do nosso tão propalado desenvolvimento tecnológico. É evidente que quem vem do campo não tem a menor condição de passar num vestibular em Universidade Federal.


É por isso que encontro muito prazer em ser um vetor de auxílio para a geração de renda, que ajuda a fixar o homem no campo, para pessoas que normalmente são mais simples, porém possuem ainda o velho calor do amor e da solidariedade humana. A eles sou muito grato.




4 comentários:

Rafael disse...

olha eu tenho 11 anos e ganhei 1 bloco de argila porque eu adoro modelar,mas eu modelava com durepox e argila é diferente eu precido d q mpouco de ajuda,você pode manda algum desses livros para mim,eu moro em são paulo,morava em campo grande,que é quase um campo e viver na cidade grande não é tao bom assim,o meu bairro é do tamanho de campo grande,mas voce poderia me ajudar com a argila?

Gilberto Narciso disse...

Rafa!
Pegue um pedaço de argila e modele o que você tiver vontade. Imite primeiro o que fazia com o durepox, depois vás se adaptando à cerâmica que é melhor por não ser tóxica, só não tem a mesma resistêncìa, é mais fraca. Procure aí em Sampa pelo ateliê de Israel Kislansky onde você encontrará cursos para a tua idade.
Abraço e boa sorte do
Gilberto.

Anônimo disse...

Amigo, trabalho com artesanto em madeira há 10anos, e tenho muita facilidade em fazer esculturas de argila,mas a´te hoje nao consegui uma forma barata de fabricar meu prorpio forno...vc teria como me dar dicas pra construir um forno pequeno e economico? á lenha ou eletrico.... e dicas pra queimar...nunca queimei nehuma peça minha seuqer......e teria jeito de deixar a argila secar bem, passar algum produto e nao queimar? poderia vender assim??? obrigado desde já...se puder passas no meu email, agradeço: mvsmartins@hotmail.com

Anônimo disse...

Narciso, bom dia. sou da cidade de Caraguatatuba-SP. Sou ceramista e tenho forno eletrico e a gaz.
Dou aulas para crianças e adultos carentes e as queimas que faço são caras para esses alunos. Vi um forno pequeno nas suas fotos. Gostaria de saber como funciona e como montar um. Isso me ajudaria a orienta-los numa queima boa e barata.
Por favor me oriente: damicomarcia@ig.com.br
Muito obrigada
Marcia